A falácia lógica no argumento de que Maria é a mãe de Deus

Por Matt Slick- Tradução e adaptação David Brito

 

A Igreja Católica Romana, muitas vezes chama Maria de "a mãe de Deus". Eles dizem. .

"Desde que Maria é a mãe de Jesus, deve concluir-se que ela também é a Mãe de Deus: Se Maria é a mãe de Jesus, e se Jesus é Deus, então Maria é a Mãe de Deus Não há nenhuma maneira de fugir deste silogismo lógico, a forma válida a qual foi reconhecido pelos lógicos clássicos desde antes da época de Cristo. "1

Existe um sentido o qual o silogismo é verdadeiro, mas também outra em que não é. Vamos dar uma olhada.

Falácia Lógica

Um silogismo é um conjunto de premissas com uma conclusão. Segue aqui o silogismo sobre Maria. . . 

1.      Maria é a mãe de Jesus

2.      Jesus é Deus.

3.      Portanto, Maria é a mãe de Deus.

Dentro deste silogismo há a falácia do equívoco. Essa falácia ocorre quando uma ou mais palavras mudam de significado no uso de um argumento.

1.     Maria é a mãe de Deus.

 

Resposta: Esta é sem dúvida uma afirmação verdadeira como se verifica nas Escrituras. O termo "mãe" deve se referir ao sentido biológico de Jesus porque Maria não precedeu a Palavra que se fez carne, (João 1: 1, 14), e ela nem é a autora de sua essência divina.

2.     Jesus é Deus.

 

Resposta: Quando dizemos que Jesus é Deus, estamos afirmando que Jesus tem uma natureza divina, bem como uma natureza humana (união Hipostática). Portanto, a palavra "Deus", aqui deve se referir à natureza divina, a essência divina.

3. Por tanto, Maria é a mãe de Deus.

 

Resposta: Em qual sentido, "Deus," é usado aqui? Será que isso significa Deus na essência divina? Ou será que significa Deus como uma Trindade? Além disso, em que sentido é a palavra "mãe", usado aqui? Será que isso significa que ela é a mãe da natureza divina? Se assim for, não se pode dizer que ela é a mãe no sentido de ser anterior a natureza divina da mesma forma que todas as mães são antes de sua prole. Não significa que ela está em uma posição superior do que o Verbo já que ela é uma criatura. Então, o que isso significa? A falta de clareza é o problema.

Deixe-me mostrar-lhe como a falácia do equívoco trabalha com um exemplo mais claro.

1.      Jesus é Deus.

2.      Deus é uma Trindade

3.      Jesus é a Trindade.

Você vê como a falta de verificação de termos resulta em confusão? Deixe-me analisar isso para mostrar-lhe onde reside o problema.

1.      Jesus é Deus.

1.      Neste sentido, "Deus" significa a essência.

2.      Deus é uma Trindade.

1 Neste sentido, "Deus" está descrevendo a Trindade, um Deus em três pessoas distintas: Pai, Filho e Espírito Santo.

3.      Jesus é a Trindade.

1.    A confusão surge no uso do termo "Deus", o que significa uma coisa em uma premissa é algo diferente na premissa dois, embora seja a mesma palavra. Isto demonstra a falácia do equívoco.

Como você pode ver, sem esclarecimento, erros podem surgir a partir de algumas conclusões ambíguas e indefinidas. Tal é o caso com a Igreja Católica Romana, que atribuiu a Maria muito mais do que as Escrituras ensinam.

Questões importantes

A questão inicial está relacionada com a afirmação Maria a "mãe de Deus" é a implicação de superioridade e também uma posição especial que ela possuiria. Por favor, considere os seguintes problemas associados com a exaltação de Maria.

  1. Maria está assentada a direita de Cristo: " . . ela é o ministro supremo da distribuição de graças. Jesus "está assentado à destra da majestade nas alturas" (Hebreus ib). Maria está assentado à destra de seu Filho. .. ," (Papa Pio X, 1835-1914, Ad Diem Illum Laetissimum, 14).
  2. Maria está atrás somente de Jesus: " Maria tem pela graça sido exaltada acima de todos os anjos e homens para um lugar perdendo apenas para o seu filho " (Concílio do Vaticano II, p. 421). " Essa mãe. . . está esperando e preparando sua casa para você " (Handbook for Todays Catholic, p. 31).
  3. 3. Maria é sem mácula: " Ao pedir a Maria que reze por nós, reconhecemo-nos como pobres pecadores e nos dirigimos à "Mãe de Misericórdia" a Toda Santa" (CIC 2677).
  4. Rezar a Maria: "Maria é a Orante  perfeita, figura da Igreja. Quando rezamos a ela, aderimos com ela o plano do Pai, que envia seu Filho para salvar todos os homens," (CIC 2679).
  5. A oração mariana é epítome do evangelho: " este culto encontra sua expressão nas festas litúrgicas dedicadas à Mãe de Deus e na oração mariana, tal como o Santo Rosário," (par. 971).
  6. Não há maneira melhor do que olhar para Maria: "Depois de termos falado da Igreja, de sua origem, de sua missão e de seu destino, a melhor maneira de concluir é voltar o olhar para Maria," (CIC 972).
  7. Maria nos trás os dons da vida eterna: Maria, " . . Mas, por sua múltipla intercessão, continua a alcançar-nos os dons da salvação eterna..(CIC par. 969).

É óbvio que existem sérios problemas com a exaltação de Maria pelo Catolicismo Romano. No entanto, para o mérito de católicos romanos, eles não afirmam que Maria é mais antiga do que Deus ou a fonte de Sua divindade. 

"Embora Maria é a Mãe de Deus, ela não é sua mãe no sentido de que ela é mais velha do que Deus ou a fonte da divindade de seu Filho. Em vez disso, dizemos que ela é a Mãe de Deus no sentido de que ela carregava em seu ventre uma pessoa divina, Jesus Cristo, Deus "na carne" (2 Jo 7, cf. João 1:14) - e no sentido de que ela contribuiu com o material genético para a forma humana, Deus manifestou em Jesus Cristo ", http://www.catholic.com/tracts/mary-mother-of-god.

Ainda assim, o problema da exaltação de Maria não pode ser ignorado como demonstrado pela lista de documentos da igreja.

1.http://www.catholic.com/tracts/mary-mother-of-god

 

 
 

About The Author

Matt Slick is the President and Founder of the Christian Apologetics and Research Ministry.