Deus não pode ser tentado. Jesus foi tentado. Portanto, Jesus não pode ser Deus.

Por Matt Slick- Tradução- David Brito-

Tiago 1:13, "Ninguém, sendo tentado, diga: De Deus sou tentado; porque Deus não pode ser tentado pelo mal, e a ninguém tenta"  Também diz em Hb. 4:15, "Porque não temos um sumo sacerdote que não possa compadecer-se das nossas fraquezas; porém, um que, como nós, em tudo foi tentado, mas sem pecado”

Responder a esta objeção é um pouco mais difícil do que responder às outras objeções sobre a divindade de Cristo, pois lida com uma área da escritura que não é explicitamente clara: a relação entre as naturezas divina e humana de Jesus. Vemos que Jesus tem duas naturezas como é ensinado no gráfico abaixo, mas como eles se relacionam não é esclarecido nas escrituras.

Jesus é uma pessoa com duas naturezas

Deus

Homem

Ele é adorado (Mt. 2:2, 11; 14:33; 28:9)
São dirigidas orações (At 7:59; 1 Co. 1:1-2)
Foi chamado de Deus (João 20:28; Hb. 1:8)
Foi chamado de Filho de Deus (Mc 1:1)
Ele é sem pecados (1 Pe. 2:22; Hb. 4:15)
Sabe todas as coisas (João 21:17)
Dá a vida eterna (João 10:28)
A plenitude da divindade habita nEle (Cl. 2:9)

Ele adorou o Pai (João 17)
Ele orou ao Pai (João 17:1)
Ele foi chamado de homem (Mc 15:39; Jo 19:5).
Ele foi chamado de Filho do Homem (Jo 9:35-37)
Ele foi tentado (Mt. 4:1)
Ele crescia em conhecimento (Lc 2:52)
Ele morreu (Rm. 5:8)
Ele tem um corpo de carne e ossos (Lc 24:39)

Vemos nas Escrituras que a natureza humana de Jesus nunca existiu além da união de Sua natureza divina. Nós também vemos nas Escrituras que Deus não pode pecar, e que habitou em Cristo a plenitude da Divindade em forma corpórea (João 1: 1, 14; Cl 2: 9). Portanto, uma vez que reconhecemos que Jesus era divino, poderíamos facilmente concluir que não era possível Jesus pecar. Por outro lado, Jesus era verdadeiramente homem. Portanto, é justo dizer que Jesus poderia ter sido verdadeiramente tentado. Mas, a pergunta persiste: Se não era possível Jesus pecar, então como poderia ele ser realmente tentado? Eu não sei se eu tenho uma resposta suficiente correta para isso, mas de qualquer forma oferecerei uma.

Primeiro de tudo, é possível tentar a Deus? Sim, é possível. Salmo 106: 13-15 diz: “Porém cedo se esqueceram das suas obras; não esperaram o seu conselho. Mas deixaram-se levar à cobiça no deserto, e tentaram a Deus na solidão E ele lhes cumpriu o seu desejo, mas enviou magreza às suas almas”.  A palavra hebraica para "tentar" aqui é Nasaw. De acordo com o Lexicon Strong , que significa "para testar, experimentar, provar, por à prova ou teste." Portanto, podemos ver que Deus estava sendo "tentado no deserto." No entanto, essa tentação, de modo algum nega a divindade do próprio Deus.

No novo Testamento, quando Jesus é tentado em Mt. 4, a palavra grega usada para “tentar” é  peirazo.  Novamente, de acordo com o Léxicon de Strong, significa: " para tentar se uma coisa pode ser feita, 2) para tentar, fazer julgamento de, teste: com a finalidade de averiguar a sua quantidade ou o que ele pensa ou como ele irá se comportar; 2c) para tentar ou testar sua fé, virtude, caráter, pela sedução do pecado”.

Podemos ver que em ambos os casos foi Deus quem foi tentado. No Antigo Testamento, Deus estava sendo tentado, ou seja, foi posto a prova no deserto assim como Jesus estava sendo tentado no NT (colocar em teste) no deserto. Esta tentação pode ocorrer sem Deus pecar. Além disso, esta tentação, versus teste, não é um desafio para a divindade de Cristo mais do que era um desafio à divindade de Deus no Antigo Testamento.

Além disso, tudo o que Jesus fez, Ele fez por olhar o Pai. Jesus disse: “Mas Jesus respondeu, e disse-lhes: Na verdade, na verdade vos digo que o Filho por si mesmo não pode fazer coisa alguma, se o não vir fazer o Pai; porque tudo quanto ele faz, o Filho o faz igualmente." (João 5:19). Além disso, Jesus disse: "Não posso fazer nada por mim mesmo como ouço, assim julgo;. E o meu juízo é justo, porque não busco a minha vontade, mas a vontade daquele que me enviou." (João 5:30).

Em Mt. 12: 22-32 Jesus estava expulsando demônios. Os fariseus acusaram Jesus de fazer isso pelo poder do diabo. Jesus respondeu-lhes que a blasfêmia contra o Espírito Santo não será perdoada. Por que ele disse isso? Eu acredito que é porque Jesus não realizou nenhum de seus milagres fora de sua própria natureza divina, mas também os fez como um homem que trabalha através e pelo Espírito Santo, que habita Nele. Por isso, Jesus estava expulsando demônios pelo poder do Espírito Santo. Vemos que os milagres de Jesus começaram depois de seu batismo, que é quando o Espírito Santo desceu sobre ele.

Jesus veio como um homem, a fim de cumprir a lei de Deus e ser o sacrifício perfeito pelos nossos pecados. Ele fez isso como um homem. Quando Ele resistiu às tentações do diabo, Ele usou as Escrituras - como um homem. Ele naquele momento não fez uso de Sua natureza divina quando exercia o seu ministério terreno em Israel. Como homem, Ele foi tentado; e como um homem, Ele resistiu à tentação ao confiar na palavra de Deus. Ele expulsou demônios pelo Espírito Santo e não pela sua própria natureza divina. Portanto, Jesus foi tentado em Sua natureza humana - não em Sua divina. Ele não confiou em Sua natureza divina para ajudá-lo. Em vez disso, Ele completamente contou com o Pai, o Espírito Santo, e a palavra de Deus para resistir com sucesso às tentações que vieram a Ele.

Portanto, concluo que Jesus não poderia ter pecado, mas que Ele poderia ser tentado; isto é, Ele poderia ter uma opção pecadora apresentada a Ele - como foi apresentado a Deus no deserto - mas Jesus não teria pecado.

 

 
 

About The Author

Matt Slick is the President and Founder of the Christian Apologetics and Research Ministry.