Indulgências

Por Matt Slick - Tradução e adaptação David Brito

Uma indulgência, de acordo com a Igreja Católica Romana, é um meio de remissão da pena temporal pelos pecados que já foram perdoados, mas são devido ao cristão nesta vida e / ou no purgatório, mais frequentemente no purgatório, mas também pode ser sofrido nesta vida. Uma indulgência diminui o tempo que seria necessário ser gasto no purgatório. Existem dois tipos de indulgências; plenárias e parciais. Uma indulgência parcial remove parte do castigo dos pecados. Uma indulgência plenária remove toda a punição dos pecados. A concessão de uma indulgência de um determinado número de dias ou anos significa redução da pena ou até mesmo o cancelamento da mesma.

No interior da contracapa do Catecismo de New St. Joseph Baltimore publicado em 1969 há uma oração. Após a oração existe a seguinte declaração: “Uma indulgência de cinco anos, uma indulgência plenária sob as condições habituais, desde que esta oração tenha sido recitada diariamente por um mês." Isto significa que ao dizer a oração corretamente, cinco anos são removidos do tempo de uma pessoa no purgatório!

Na mesma página do New St. Joseph Baltimore Catechism é dito; "O fiel que dedicar 20 minutos a uma hora e meia para o ensino ou a estudar a doutrina cristã, podem obter: uma indulgência de três anos. Uma indulgência plenária sob as condições habituais duas vezes por mês, se a prática acima é realizada pelo menos duas vezes por mês."

Assim, podemos ver que de acordo com este catecismo se você disser a oração corretamente, você pode ter cinco anos removidos de seu tempo no purgatório. Da mesma forma, se os fiéis dedicarem 20 minutos a uma hora e meia para o ensino ou estudar a doutrina cristã, eles podem ter três anos removidos do purgatório. Isto é bíblico? De modo nenhum. É ridículo pensar que a leitura de doutrina e dizer uma oração remove o tempo de punição no lugar católico-inventado chamado purgatório. Não é nada mais do que um meio de controlar os católicos e mantê-los dependentes da "Igreja Mãe".

O Tesouro da Igreja

O Tesouro da Igreja é um armazém de mérito que  o sacrifício de Cristo conquistou, assim como as orações e boas obras da Virgem Maria e de todos os santos. Este reservatório de mérito é aplicado aos católicos romanos através da Igreja Católica Romana para que a punição futura possa ser reduzida. Então, essencialmente, o que temos é um sistema onde o mérito é dispensado através dos sacramentos católicos romanos e sacerdócio.

 

 

 

  • "Esses bens espirituais da comunhão dos santos também são chamados o tesouro da Igreja, “que não é uma soma de bens comparáveis às riquezas materiais acumuladas no decorrer dos séculos, mas é o valor infinito e inesgotável que têm junto a Deus as expiações e os méritos de Cristo, nosso Senhor, oferecidos para que a humanidade toda seja libertada do pecado e chegue à comunhão com o Pai. E em Cristo, nosso redentor, que se encontram em abundância as satisfações e os méritos de sua redenção" (Catecismo da Igreja Católica, 1476).
  • "Pertence, além disso, a esse tesouro o valor verdadeiramente imenso, incomensurável e sempre novo que têm junto a Deus as preces e as boas obras da Bem aventurada

Virgem Maria e de todos os santos que, seguindo as pegadas de Cristo Senhor, por

sua graça se santificaram e totalmente acabaram a obra que o Pai lhes confiara, de sorte que,

operando a própria salvação, também contribuíram para a salvação de seus irmãos na unidade do corpo místico" (CIC, 1477).

Em suma, este tesouro da igreja de Roma é um meio pelo qual ela mantém seus fiéis dependentes do seu sistema sacramental e eclesiástico. Sem a participação em Sacramentos da Igreja Católica Romana, a punição futura será muito mais extensa. A Igreja Católica Romana mantém seu povo preso a ela, e em sua dependência. Em vez dos Católicos Romanos serem completamente santificados e justificados pela obra redentora de Cristo na cruz, e na propiciação o sacrifício oferecido pelo Senhor é usurpado pela Igreja Católica Romana. O poder, sacerdócio e a mediação de Cristo são substituídos pela Igreja Católica Romana, e torna-se o meio pelo qual o chamado povo de Deus são aliviados de suas punições e pecados. Esta é uma reivindicação blasfema de Roma, que diminui o poder, a glória e suficiência da cruz. Todos os católicos romanos devem parar de olhar para a Igreja como meio de salvação e / ou como um meio de libertação do castigo. Em vez disso, a Igreja Católica Romana deve olhar para Cristo unicamente através da fé para o perdão dos seus pecados.

  •  "Concluímos, pois, que o homem é justificado pela fé sem as obras da lei," (Rm. 3:28).
  •  "Pois, que diz a Escritura? Creu Abraão em Deus, e isso lhe foi imputado como justiça," (Rm. 4:3).
  •  "Mas, àquele que não pratica, mas crê naquele que justifica o ímpio, a sua fé lhe é imputada como justiça," (Rm. 4:5).
  •   "Tendo sido, pois, justificados pela fé, temos paz com Deus, por nosso Senhor Jesus Cristo" (Rm. 5:1).
  • "Logo muito mais agora, tendo sido justificados pelo seu sangue, seremos por ele salvos da ira," (Rm. 5:9).
  • "Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus," (Ef. 2:8).

O problema com as indulgências

O problema óbvio com indulgências é que elas negam a autossuficiência da cruz. Foi Jesus que tomou a nossa punição. Ele tomou o nosso lugar para que nós não tivéssemos que sofrer qualquer punição por nossos pecados para que pudéssemos ser justificados diante de Deus. Nós não estamos dizendo que os pecados não têm consequências e punições. Estamos dizendo que não é o nosso sofrimento que nos torna justos diante de Deus, mas sim a obra de Cristo na cruz.

"Verdadeiramente ele tomou sobre si as nossas enfermidades, e as nossas dores levou sobre si; e nós o reputávamos por aflito, ferido de Deus, e oprimido. Mas ele foi ferido por causa das nossas transgressões, e moído por causa das nossas iniquidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e pelas suas pisaduras fomos sarados. Todos nós andávamos desgarrados como ovelhas; cada um se desviava pelo seu caminho; mas o SENHOR fez cair sobre ele a iniquidade de nós todos," (Isaías 53:4-6).

O segundo Concílio do Vaticano, p. 63, menciona o purgatório como um lugar de castigo por nossos pecados:  “existe certamente entre os fiéis já admitidos na posse da pátria celeste, os que expiam as faltas no purgatório e os que ainda peregrinam na terra, um laço de caridade e um amplo intercâmbio de todos os bens”. Neste admirável intercâmbio, cada um se beneficia da santidade dos outros, bem para além do prejuízo que o pecado de um possa ter causado aos outros. “Assim, o recurso à comunhão dos santos permite ao pecador contrito se purificado, mais cedo e mais eficazmente, das penas do pecado." Indulgências só têm valor no catolicismo devido ao ensino antibíblico do purgatório, que a Igreja Católica Romana ensina como um lugar de castigo, onde as pessoas expiam seus próprios pecados lá (CIC, 1475).

Expiação "é um termo associado com a remoção, limpeza, ou o perdão dos pecados."¹ Mas, como é que uma pessoa pode expiar-se ou limpar-se de seus próprios pecados? Ele não consegue! Se houvesse um meio pelo qual pudéssemos nos purificar de nossos próprios pecados, certamente Deus teria providenciado.

"Não aniquilo a graça de Deus; porque, se a justiça provém da lei, segue-se que Cristo morreu debalde," (Gal. 2:21).

No entanto, do ensino do purgatório e da pena temporal vem o ensinamento das indulgências - um meio pelo qual a punição para o pecado é reduzido através dos próprios sofrimentos de uma pessoa. Quão horrível é esse ensino uma vez que reduz o poder e a glória da cruz e diz que podemos expiar nossos pecados em vez de confiar em Cristo Jesus para tal. A Igreja Católica Romana precisa se retratar do seu falso ensino e exortar seu povo a olhar para Cristo e não para a mediação da Igreja, seu sacerdócio, seu tesouro de mérito, seus sacramentos, ou as suas regras e regulamentos para a salvação das almas.

As práticas de indulgências não têm o apoio das escrituras.