O Purgatório

Por Matt Slick- Tradução David Brito

"Estou constantemente a considerar que existe um purgatório, e que as almas alí detidas são ajudadas pelos sufrágios dos fiéis." 1

De acordo com o Catecismo da Igreja Católica, parágrafo 1030, "Todos os que morrem na graça e na amizade de Deus, mas que ainda estão imperfeitamente purificados tem a garantia de sua salvação eterna, mas após a morte passam por uma purificação, de modo a alcançar a santidade necessária para entrar na alegria do Céu."

O Concílio Vaticano II, p. 63, diz: "A verdade divinamente revelada diz que os pecados são seguidos de punições. A santidade e justiça de Deus os afligir-lhes. Pecados devem ser expiados. Isso pode ser feito na terra através das tristezas, misérias e provações desta vida e, acima de tudo, através da morte. Caso contrário, a expiação deve ser feita na próxima vida através do fogo e tormentos ou penas purificadoras."

Este processo de purificação ocorre em um local designado pela Igreja Católica como o purgatório. Segundo a doutrina católica, o purgatório não é suposto ser um lugar de castigo, mas de purificação. A natureza desta purificação, de acordo com diferentes teólogos católicos, varia de uma extrema consciência de perda até um intenso e extremamente doloroso "fogo purificador".

De acordo com a Doutrina católica romana, embora uma pessoa possa estar em um estado de graça, ela não pode entrar no Céu até que tenha se purificado dos pecados que não foram tratados na terra. O batismo redime pecados cometidos até certo ponto, mas as orações, as indulgências, penitências, absolvição e a Missa são meios pelos quais o pecador é capaz de expiar os pecados cometidos após o batismo. Se os pecados não são redimidos, após a morte ele deve sofrer as chamas da purificação até que seja suficientemente limpo e puro, a fim de entrar na presença de Deus. Além disso, as intercessões podem ser feitas pelos católicos em nome daqueles que estão atualmente no purgatório. Isto também é feito através de rezar a missa, certos atos de penitência, rezando o Rosário, ou por indulgências, onde o benefício é aplicado aos mortos no purgatório.

Mas purgatório não é para todos. Infantes que foram batizados e que morreram antes da idade de responsabilização e católicos que viveram vidas santas são dispensados do "fogo da purificação."

O período de tempo que alguém deve sofrer neste estado não é conhecido, mas é considerado como sendo proporcional à natureza e gravidade dos pecados cometidos. Por conseguinte, pode ser em a partir de algumas horas a milhões de anos.

Problemas com a Doutrina do Purgatório.

Como um cristão que baseia a verdade espiritual somente nas sagradas escrituras, vejo sério problemas com a doutrina do purgatório. Por exemplo:

  1. Não é especificamente encontrada nas escrituras.
  2. Implica que o sacrifício de Cristo não purifica de  todos os pecados.
  3. Implica que a justificação não se dá somente pela fé..
  4. Implica que existe ainda algo que devemos fazer para sermos purificados de todo os pecados.

Os católicos vão discordar com os problemas por mim observados a respeito da doutrina do purgatório. Isto é de se esperar. Eles vão citar os Padres da Igreja, os apócrifos, e várias referências bíblicas para o fogo e a purificação. Seja qual for o lado do argumento que você estiver, meu objetivo aqui é apresentar um argumento bíblico que examine essa doutrina numa tentativa de determinar se tem ou não o apoio das escrituras.

Claro, os Católicos vão dizer que como protestante que sou, eu venho para a discussão com a crença preconcebida de que (1) o Purgatório é antibíblico (2) e que eu sou preconceituoso contra ele (3) e que eu tenho uma crença para defender. Para cada uma dessas acusações eu admito a minha culpa. Nenhum de nós é perfeitamente imparcial, e todos têm crenças pessoais que são refletidas em nossas ações e palavras. Neste caso, depois de ter lido e estudado a Bíblia cuidadosamente, acho que não há lugar nela para a doutrina católica romana do Purgatório.

 

 1 The Trentine Creed, of Pius IV, A.D. 1564, found in Roberts, A., J. Donaldson, and A. C. Coxe, The Ante-Nicene Fathers Vol. VIII: Translations of the Writings of the Fathers Down to A.D. 325, 1997, p. 643.

 
 

About The Author

Matt Slick is the President and Founder of the Christian Apologetics and Research Ministry.