Razões pelas quais os livros apócrifos não fazem parte da Bíblia Protestante

Por Ryan Turner – Tradução e adaptação David Brito

Católicos e protestantes discordam sobre o número exato de livros que pertencem as Escrituras do Antigo Testamento. A disputa entre eles é sobre sete livros, parte do que é conhecido como os Apócrifos: Tobias, Judite, Ester (acréscimos) 1 Macabeus, 2 Macabeus, Sabedoria e Eclesiástico. Entretanto, há uma série de razões pelas quais o os livros apócrifos não são considerados partes das escrituras.

Rejeitados por Jesus e os Apóstolos

1.  Não há citações claras e definitivas no Novo Testamento dos Apócrifos por Jesus ou os apóstolos. Embora possa haver várias alusões no Novo Testamento para os apócrifos, não há declarações autorizativas como, por exemplo: "assim diz o Senhor", "como está escrito", ou "as Escrituras dizem." Há referências no Novo Testamento aos pseudoepígrafos (literalmente "escritos falsos") (Judas 14-15) e até citações de fontes pagãs (Atos 17: 22-34), mas nenhum deles é citado como Escritura e foram rejeitadas mesmo pelos católicos romanos. Em contraste, escritores do Novo Testamento citam os textos do Antigo Testamento várias vezes (Mt 5, Lc. 24:27, Jo. 10:35) e usam frases, como "assim diz o Senhor", "como está escrito," ou "as Escrituras dizem," indicando sua aprovação desses livros como inspirados por Deus.

2.  Jesus rejeitou explicitamente os apócrifos como Escritura referindo-se a todo o Canon judaico das Escrituras, "desde o sangue de Abel [Gen. 4: 8] até o sangue de Zacarias [2 Cr. 24:20], que foi morto entre o altar e a casa de Deus; sim, eu vos digo, será cobrada contra esta geração” (Lc. 11:51, cf. Mt. 23:35).

Abel foi o primeiro mártir no livro de Gênesis no Antigo Testamento, enquanto Zacarias foi o último mártir no Livro de Crônicas. No cânon hebraico, o primeiro livro é Gênesis e o último livro é o de Crônicas. Eles continham todos os mesmos livros como o padrão de 39 livros, os mesmos aceitos pelos protestantes hoje, mas, eles estavam apenas dispostos de forma diferente. Por exemplo, todos os 12 profetas menores (Oséias até Malaquias) estavam contidos em um livro. É por isso que há apenas 24 livros na Bíblia hebraica hoje. Quando Jesus se referiu de  Abel até Zacarias, Ele estava abrangendo todo o Canon das Escrituras Hebraicas que inclui os mesmos 39 livros que os protestantes aceitam hoje. Portanto, Jesus rejeitou implicitamente os apócrifos como Escritura.

Rejeição pela Comunidade Judaica

3.  Os "oráculos de Deus" foram dados aos judeus (Rm 3: 2.), E eles rejeitaram os apócrifos do Antigo Testamento como parte desta revelação inspirada. Curiosamente, Jesus teve muitas disputas com os judeus, mas Ele nunca disputou com eles sobre a extensão da revelação inspirada de Deus.2

4.  Os pergaminhos do Mar Morto não fornecem nenhum comentário sobre os livros apócrifos mas, fornecem comentários sobre alguns dos livros judaicos do Antigo Testamento. Isso provavelmente indica que a comunidade judaica dos essênios não os considerava como pertencendo aos livros do Velho Testamento judaico.

5.  Muitos dos antigos judeus rejeitaram os apócrifos como Escritura. Philo não citou os apócrifos como Escritura. Flávio Josefo rejeitou explicitamente os apócrifos e listou o Cânon hebraico sendo de 22 livros. 3 Na verdade, a comunidade judaica reconheceu que os dons proféticos cessaram em Israel antes do livros apócrifos serem escritos.

Rejeição por muitos na Igreja Católica

6.  A Igreja Católica nem sempre aceitou os livros apócrifos. Os apócrifos não foram admitidos oficialmente pela Igreja Católica em um concílio universal até 1546, no Concílio de Trento. Ou seja, mais de mil e quinhentos anos depois que os livros foram escritos e foi uma reação contrária à Reforma Protestante. 4

7.  Muitos Padres da Igreja rejeitaram os apócrifos como Escritura, e muitos apenas usaram para fins devocionais. Por exemplo, Jerônimo, o grande estudioso bíblico e tradutor da Vulgata Latina, rejeitou os apócrifos como Escritura, porém, supostamente sob pressão, ele fez uma tradução apressada deles. Na verdade, a maioria dos pais da igreja nos primeiros quatro séculos da Igreja rejeitaram os apócrifos como Escritura. Junto com Jerônimo estão nomes como; Orígenes, Cirilo de Jerusalém, e Atanásio.

8.  Os livros apócrifos foram colocados em Bíblias antes do Concílio de Trento e depois, mas foram colocados em uma seção separada, porque eles não tinham a mesma autoridade. Os apócrifos legitimamente têm algumas finalidades devocionais, mas não são inspirados.

Falsos Ensinos

9.  Os apócrifos contém vários erros e falsos ensinos (Veja: Erros nos Apócrifos). (Fontes das referencias  http://www.newadvent.org/bible).

Não Inspirados e não proféticos

10.  Os livros apócrifos não compartilham muitas das características dos livros canônicos: eles não são proféticos, não há nenhuma confirmação sobrenatural de qualquer das obras dos escritores apócrifos, não há profecia preditiva, não há nenhuma nova verdade messiânica revelada, não são citados por qualquer livro profético escrito depois deles, e eles até mesmo reconhecem que não houve profetas em Israel no tempo o qual foram escritos (cf. 1 Mac. 9:2714:41).

 

Fontes

· Norman Geisler and Ralph E. MacKenzie, Roman Catholics and Evangelicals: Agreements and Differences. Grand Rapids: Baker, 1995, pp. 157-75.

· Norman Geisler, Baker Encyclopedia of Christian Apologetics, Grand Rapids: Baker, 1999, pp. 28-36.

  • 1.Veja http://www.catholic.com/library/Old_Testament_Canon.asp para obter uma lista dos livros que a Igreja Católica Romana aceita. Ver também, Michael D. Coogan, ed., A versão Standard New Oxford Anotada dos apócrifos, terceira edição, New Revised, Oxford University Press, 2007, p. 4, para obter uma lista dos apócrifos. Curiosamente, os católicos se referem a esses livros extras como os livros deuterocanônicos, enquanto os protestantes se referem a eles como parte dos apócrifos.
  • 2. Alguns estudiosos debatem se o Canon exato das Escrituras do Antigo Testamento não foi descoberto pelos judeus até por volta de 100 dC por isso Paulo não pode estar se referindo a alguma lista oficial dos livros. No entanto, o princípio dos "oráculos de Deus" ainda se mantém. Os judeus rejeitaram os Apócrifos como parte dos oráculos de Deus.
  • 3. Existem várias divisões do cânon hebraico. O protestante cânone do Antigo Testamento contém 39 livros, enquanto o cânon hebraico tem 22 ou 24. Estes são exatamente os mesmos livros que os protestantes aceitam, mas eles estão apenas dispostos de forma diferente e alguns dos livros são combinados em um só. Por exemplo, Reis é um livro. Não há 1ª e 2ª Reis. Além disso, todos os 12 profetas menores (Oséias até Malaquias) formam apenas um livro no cânon hebraico.
  • 4. É verdade que a Igreja Católica aceitou os livros apócrifos em concílios anteriores de Roma (AD 382), Hipona (393 dC), Cartago (397 dC) e Florença (AD 1442). No entanto, estes não eram Concílios universais da Igreja e os Concílios anteriores foram influenciados fortemente por Agostinho, que não era especialista bíblico em comparação com o estudioso Jerônimo, que rejeitou os apócrifos como parte do cânon do Antigo Testamento. Além disso, é duvidoso que as decisões destes Concílios foram obrigatórios para a Igreja em geral, uma vez que eram os conselhos locais. Às vezes, esses Concílios locais cometeram erros e tiveram que ser corrigidos por um Concílio da igreja universal.