Se a Bíblia é um livro Católico, então, por que a Bíblia contradiz o ensino Católico?

Por Matt Slick – Tradução David Brito

No Facebook alguém postou algo com o título: "Se a Bíblia é um livro católico..", No qual foram listados muitas das coisas encontradas na Bíblia que contradizem com o que a Igreja Católica ensina. Eu perguntei a pessoa que postou a autoria do artigo, e ele disse que ele não sabia, mas havia tirado de um site público. Então eu reproduzi e modifiquei o artigo. Você verá a referência das declarações católicas que foram retiradas do CIC (Catecismo da Igreja Católica), e em seguida o texto das escrituras que trata do assunto em questão.

Se a Bíblia é um livro Católico, então por que... . . . 

1.       As escrituras não apoiam a adoração a Maria?  

CIC 969, " Portanto, a Virgem é invocada na Igreja com os títulos de advogada, auxiliadora, Protetora, e Medianeira.'"

1.      CIC 969, "Assunta aos céus, não abandonou este múnus salvítico, mas, por sua múltipla intercessão, continua a alcançar-nos os dons da salvação eterna . . . "

2.      CIC 966, " . . . Em vosso parto, guardastes a virgindade; em vossa dormição, não deixastes o mundo, ó mãe de Deus: fostes juntar-vos à fonte da vida, vós que concebestes o Deus vivo e, por vossas orações, livrareis nossas almas da morte."

3.      Lucas 11:27-28, "Entrementes, enquanto Jesus comunicava esses ensinos, uma mulher da multidão exclamou: “Bem-aventurada aquela que te deu à luz, e os seios que te amamentaram!” Ele, porém, afirmou: “Antes disso, mais felizes são todos aqueles que ouvem a Palavra de Deus e lhe obedecem”.

2.      Por que Bíblia mostra que todos os cristãos são sacerdotes e não apenas aqueles apontados pela igreja católica?

1.      CIC 1673, "Quando a Igreja exige publicamente e com autoridade, em nome de Jesus Cristo, que uma pessoa ou objeto seja protegido contra a influência do maligno e subtraído a seu domínio, fala-se de exorcismo. Jesus o praticou, é dele que a Igreja recebeu o poder e o encargo de exorcizar. Sob uma forma simples, o exorcismo é praticado durante a celebração do Batismo. O exorcismo solene, chamado “grande exorcismo”, só pode ser praticado por um sacerdote, com a permissão do bispo. Nele é necessário proceder com prudência, observando estritamente as regras estabelecidas pela Igreja. O exorcismo visa expulsar os demônios ou livrar da influência demoníaca, e isto pela autoridade espiritual que Jesus confiou à sua Igreja. Bem diferente é o caso de doenças, sobretudo psíquicas, cujo tratamento depende da ciência médica. É importante, pois, verificar antes de celebrar o exorcismo se se trata de uma presença do maligno ou de uma doença."

2.      1 Pe 2:5,9, "vós também, como pedras vivas, sois edificados como Casa espiritual, com o propósito de serdes sacerdócio santo, oferecendo sacrifícios espirituais aceitáveis a Deus, por meio de Jesus Cristo. . . Porém, vós sois geração eleita, sacerdócio real, nação santa, povo de propriedade exclusiva de Deus, cujo propósito é proclamar as grandezas daquele que vos convocou das trevas para sua maravilhosa luz"

3.      Por que a Biblia não valida a confissão de pecados aos padres?

1.      CIC 1424, "chamado sacramento da Confissão porque a declaração, a confissão dos pecados diante do sacerdote é um elemento essencial desse sacramento. Num sentido profundo esse sacramento também é uma “confissão”, reconhecimento e louvor da santidade de Deus e de sua misericórdia para com o homem pecador. Também é chamado sacramento do perdão porque pela absolvição sacramental do sacerdote Deus concede “o perdão e a paz.

2.      CCC 1456, "A declaração dos pecados ao sacerdote constitui uma parte essencial do sacramento da penitência: “Os penitentes devem, na confissão, enumerar todos os pecados mortais de que têm consciência depois de examinar-se seriamente, mesmo que esses pecados sejam muito secretos e tenham sido cometidos somente contra os dois últimos preceitos do decálogo

3.      1 Jo 1:9, "Se confessarmos os nossos pecados, Ele é fiel e justo para nos perdoar todos os pecados e nos purificar de qualquer injustiça."

4.      Por que condena a observância dos Dias Santos de Obrigação?

1.       Corpus Christi, Assunção de Maria, etc.

2.      Gl. 4:9-11, "Agora, entretanto, que já conheceis a Deus, ou melhor, sendo conhecidos por Ele, como é que podeis pensar em retroceder a esses princípios insignificantes, fracos e pobres, aos quais de novo desejais servir? Guardais dias, meses, tempos e anos. Temo que eu talvez tenha ministrado inutilmente para convosco."

5.      Por que condena o uso e a adoração de imagens?

1.      CIC 1162,  “A beleza e a cor das imagens estimulam minha oração. É uma festa para os meus olhos, tanto quanto o espetáculo do campo estimula meu coração a dar glória a Deus.” A contemplação dos ícones santos, associada à meditação da Palavra de Deus e ao canto dos hinos litúrgicos, entra na harmonia dos sinais da celebração para que o mistério celebrado se grave na memória do coração e se exprima em seguida na vida nova dos fiéis."

2.      CIC 2132, " O culto cristão das imagens não é contrário ao primeiro mandamento, que proíbe os ídolos. De fato, "a hora prestada a uma imagem se dirige ao modelo Original, e "quem venera uma imagem venera a pessoa que nela está pintada. A honra prestada às santas imagens é uma "veneração respeitosa", e não uma adoração, que só compete a Deus: "

3.      Ex. 20:4-5, "Não farás para ti nenhum ídolo, nenhuma imagem esculpida, nada que se assemelhe ao que existe lá em cima, nos céus, ou embaixo na terra, ou mesmo nas águas que estão debaixo da terra. 5Não te prostrarás diante desses deuses e não os servirás, porquanto Eu, o SENHOR teu Deus, sou um Deus ciumento, que puno a iniquidade dos pais sobre os filhos até a terceira e quarta geração dos que me odeiam"

4.      Lv. 26:1 ‘Não fareis para vós ídolos, nem para vós levantareis imagem esculpida, nem coluna, nem poreis na vossa terra pedra com figuras, para vos inclinardes a ela; porque eu sou o Senhor vosso Deus."

5.      Dt. 4:15-18, “Guardai, pois, com diligência as vossas almas, porque não vistes forma alguma no dia em que o Senhor vosso Deus, em Horebe, falou convosco do meio do fogo;  para que não vos corrompais, fazendo para vós alguma imagem esculpida, na forma de qualquer figura, semelhança de homem ou de mulher; ou semelhança de qualquer animal que há na terra, ou de qualquer ave que voa pelo céu; ou semelhança de qualquer animal que se arrasta sobre a terra, ou de qualquer peixe que há nas águas debaixo da terra."

6.      Por que então proíbe de chamarmos lideres religiosos de Padre (pai)?

1.      Mat. 23:9, "E a ninguém sobre a terra chameis vosso pai; porque um só é o vosso Pai, aquele que está nos céus."

7.      Por que então ela ensina que a única fundação é Cristo e não o apóstolo Pedro?

1.      CIC 442, " Não acontece o mesmo com Pedro, quando confessa Jesus como "o Cristo, o Filho do Deus vivo", pois este lhe responde com solenidade: "Não foi a carne e o sangue que te revelaram isso, e sim meu Pai que está nos Céus" (Mt 16,17). Paralelamente, Paulo dirá a propósito de sua conversão no caminho para Damasco: Quando, porém, aquele que me separou desde o seio materno e me chamou, por sua graça houve por bem revelar em mim o seu Filho, para que eu o evangelizasse entre os gentios..." (Gl 1,15-16). "Imediatamente, nas sinagogas, começou a proclamar Jesus, afirmando que ele é o Filho de Deus" (At 9,20). Este será desde o início o centro da fé apostólica professada primeiro por Pedro como fundamento da Igreja.

2.      CIC 936, " O Senhor fez de São Pedro o fundamento visível de sua Igreja. Entregou-lhe suas chaves. O Bispo da igreja de Roma, sucessor de São Pedro, é "a cabeça do colégio dos Bispos, Vigário de Cristo e, aqui na terra, pastor da igreja."

3.      1 Co 3:11, " Porque ninguém pode colocar outro fundamento além do que está posto, o qual é Jesus Cristo! Se alguma pessoa edifica sobre esse alicerce utilizando ouro, prata, pedras preciosas, madeira, feno ou palha, sua obra será manifesta, porquanto o Dia a trará à luz; pois será revelada pelo fogo, que provará a qualidade da obra de cada um."

8.      Por que ensina que há somente um mediador ao invés de muitos?

1.      CIC 969, "Esta maternidade de Maria na economia da graça perdura ininterruptamente, a partir do consentimento que ela fielmente prestou na anunciação, que sob a cruz resolutamente manteve, até a perpétua consumação de todos os eleitos. Assunta aos céus, não abandonou este múnus salvítico, mas, por sua múltipla intercessão, continua a alcançar-nos os dons da salvação eterna. (...) Por isso, a bem-aventurada Virgem Maria é invocada na Igreja sob os títulos de advogada, auxiliadora. protetora, medianeira."

2.      1 Tm. 2:5, " Porque há um só Deus, e um só Mediador entre Deus e os homens, Cristo Jesus, homem."

9.    Por que a Igreja Católica Romana excede o que está escrito nas Escrituras com as suas inúmeras doutrinas extras bíblicas, ou seja, Assunção de Maria, purgatório, indulgências?

1.      1 Co. 4:6, "Ora, irmãos, estas coisas eu as apliquei figuradamente a mim e a Apolo, por amor de vós; para que em nós aprendais a não ir além do que está escrito, de modo que nenhum de vós se ensoberbeça a favor de um contra outro."

10.  Por que ensina que o Bispo deve ser um homem casado? (1 Tm. 3:2-5).

1.      CIC 1579, " Todos os ministros ordenados da Igreja latina, com exceção dos diáconos permanentes, normalmente são escolhidos entre os homens fiéis que vivem como celibatários e querem guardar o celibato “por causa do Reino dos Céus” (Mt 19,12). Chamados a consagrar-se com indiviso coração ao Senhor e a “cuidar das coisas do Senhor”, entregam-se inteiramente a Deus e aos homens. O celibato é um sinal desta nova vida a serviço da qual o ministro da Igreja é consagrado; aceito com coração alegre, ele anuncia de modo radiante o Reino de Deus."

2.      CIC 1580, " Nas Igrejas orientais, está em vigor, há séculos, uma disciplina diferente: enquanto os Bispos só são escolhidos entre os celibatários, homens casados podem ser ordenados diáconos e padres. Esta praxe é considerada legítima há muito tempo; esses padres exercem um ministério muito útil no seio de suas comunidades. O celibato dos presbíteros, por outro lado, é muito honrado nas Igrejas orientais, e são numerosos os que o escolhem livremente, por causa do Reino de Deus. No Oriente como no Ocidente, aquele que recebeu o sacramento da Ordem não pode mais casar-se

3.      1 Tm. 3:2-5, "É fundamental, pois, que o bispo seja irrepreensível, marido de uma só esposa, equilibrado, tenha domínio próprio, seja respeitável, hospitaleiro, capacitado para ensinar; não deve ser apegado ao vinho, nem violento, mas sim amável, pacífico e não amante do dinheiro. O bispo deve também governar bem sua própria família, sabendo educar seus filhos a lhe serem submissos com todo o respeito. Porquanto, se alguém não sabe governar sua própria família, como poderá cuidar da Igreja de Deus??"

11.  Por que se opõe a pompa e a alta posição que o Papa ocupa?

1.      Lucas 22:24-27, " Levantou-se também entre eles contenda, sobre qual deles parecia ser o maior. Ao que Jesus lhes disse: Os reis dos gentios dominam sobre eles, e os que sobre eles exercem autoridade são chamados benfeitores. Mas vós não sereis assim; antes o maior entre vós seja como o mais novo; e quem governa como quem serve. Pois qual é maior, quem está à mesa, ou quem serve? porventura não é quem está à mesa? Eu, porém, estou entre vós como quem serve."

12.  Por que diz que as pessoas normais podem interpretá-la quando a Igreja Católica diz que só ela (a igreja) tem a autoridade para interpretar a Escritura?.

1.      CIC 100, "O encargo de interpretar autenticamente a Palavra de Deus foi confiado exclusivamente ao Magistério da Igreja, ao Papa e aos bispos em comunhão com ele."

2.      Rm. 14:5, "Um faz diferença entre dia e dia, mas outro julga iguais todos os dias. Cada um esteja inteiramente convicto em sua própria mente."

13.  Por que diz que a justificação é somente pela fé e não pela fé e obras como a Igreja Católica Romana ensina?

1.      CIC 2036, "Os preceitos específicos da lei natural, porque sua observância, exigida pelo Criador, é necessária para a salvação."

2.      CIC 2080, "O Decálogo contém uma expressão privilegiada da lei natural. Conhecemo-lo pela revelação divina e pela razão humana."

3.      CIC 2068, “...a fim de que os homens todos, pela fé, pelo Batismo e pela observância dos mandamentos, alcancem a salvação"

4.      Rm. 3:28, "concluímos pois que o homem é justificado pela fé sem as obras da lei."

5.      Rm. 4:5,  " porém ao que não trabalha, mas crê naquele que justifica o ímpio, a sua fé lhe é contada como justiça;”

6.      Rm. 5:1, " Justificados, pois, pela fé, tenhamos paz com Deus, por nosso Senhor Jesus Cristo."

14.    Por que diz que a fé em Cristo é necessária para a salvação e não a igreja?

CIC 846, " Apoiado na Sagrada Escritura e na Tradição, [o Concílio] ensina que esta Igreja peregrina é necessária para a salvação. O único mediador e caminho da salvação é Cristo, que se nos torna presente em seu Corpo, que é a Igreja. Ele, porém, inculcando com palavras expressas a necessidade da fé e do batismo, ao mesmo tempo confirmou a necessidade da Igreja, na qual os homens entram pelo Batismo, como que por uma porta. Por isso não podem salvar-se aqueles que, sabendo que a Igreja católica foi fundada por Deus por meio de Jesus Cristo como instituição necessária, apesar disso não quiserem nela entrar ou nela perseverar.."

1.      Rm. 3:22, " isto é, a justiça de Deus pela fé em Jesus Cristo para todos os que crêem; pois não há distinção."

2.      Gl. 2:16, " sabendo, contudo, que o homem não é justificado por obras da lei, mas sim, pela fé em Cristo Jesus, temos também crido em Cristo Jesus para sermos justificados pela fé em Cristo, e não por obras da lei; pois por obras da lei nenhuma carne será justificada.."

15.  Por que é contrária ao ensino da Graça merecida conforme ensina a Igreja Católica?

1.      CIC 2010, "Como a iniciativa pertence a Deus na ordem da graça, ninguém pode merecer a graça primeira, na origem da versão, do perdão e da justificação. Sob a moção do Espírito Santo e da caridade, podemos em seguida merecer para nós mesmos e para os outros as graças úteis à nossa santificação crescimento da graça e da caridade, e também para ganhar a vida eterna. Os próprios bens temporais, como a saúde, a amizade, podem ser merecidos segundo a sabedoria divina. Essas graças e esses bens são o objeto da oração cristã. Esta atende à nossa necessidade da graça para as ações meritórias."

2.      CIC 2027, " Sob a moção do Espírito Santo, podemos merecer, para nós mesmos e para os outros, todas as graças Úteis para chegar à vida eterna, como também os bens temporais necessários."

3.      Rm. 11:6, "Mas se é pela graça, já não é pelas obras; de outra maneira, a graça já não é graça."

 

 
 

About The Author

Matt Slick is the President and Founder of the Christian Apologetics and Research Ministry.