Será que Lucas 10: 25-28 ensina que nós receberemos a vida eterna por guardar a Lei?

Por Matt Slick – tradução David Brito

 

25 Certa vez, um advogado da Lei levantou-se com o propósito de submeter Jesus à prova e lhe indagou: “Mestre, o que preciso fazer para herdar a vida eterna”? 26 Ao que Jesus lhe propôs: “O que está escrito na Lei? Como tu a interpretas?” 27 E ele replicou: “Amarás o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração, de toda a tua alma, de todas as tuas forças e com toda a tua capacidade intelectual’ e ‘Amarás o teu próximo como a ti mesmo’”. 28 Então, Jesus lhe afirmou: “Respondeste corretamente; faze isto e viverás”. 29 Ele, no entanto, insistindo em justificar-se, questionou a Jesus: “Mas, quem é o meu próximo?” (Lucas 10:25-28).

Observe que o doutor da Lei estava testando Jesus (v. 25) e perguntou quais obras ele deveria fazer para ter a vida eterna. O advogado, obviamente, tinha fé em Deus e esta fé produziu boas obras consistentes com a lei já que ele citou a Lei quando Jesus perguntou-lhe o que estava escrito na lei. Jesus elogia-lo em sua resposta sobre amar a Deus e amar o próximo e, em seguida, segue-se com a história do Bom Samaritano (Lucas 10: 30-37) para mostrar que as obras de amor são o cumprimento de amar o próximo. É por isso que Jesus disse: "Faça isso e você vai viver."

Jesus estava demostrando que a Lei requeria este tipo de ação da parte dele. A Lei foi o padrão com o qual o doutor da Lei julgou a si mesmo. Se um católico romano perguntasse a Jesus o que deveria fazer para herdar a vida eterna, talvez Jesus teria respondido da mesma maneira, de acordo com o padrão da Igreja Católica e de acordo com as normas do catolicismo, que para ser salvo é preciso manter os 10 mandamentos..

  • "A autoridade do magistério se estende também aos preceitos específicos da lei natural, porque sua observância, exigida pelo Criador, é necessária para a salvação. Recordando as prescrições da lei natural, o magistério da Igreja exerce parte essencial de sua função profética de anunciar aos homens o que (os homens) são de verdade e recordar-lhes o que devem ser diante de Deus." (Catecismo da Igreja Católica 2036).
  • "O Concílio de Trento ensina que os dez mandamentos obrigam os cristãos e que o homem justificado ainda está obrigado a observá-los. E o Concílio Vaticano II afirma a mesma doutrina: "Como sucessores dos Apóstolos, os Bispos recebem do Senhor (...)a missão de ensinar a todos os povos e pregar o Evangelho a toda criatura, a fim de que os homens todos, pela fé, pelo Batismo e pela observância dos mandamentos, alcancem a salvação" (CIC 2068).

Sim!, Mantenha a Lei e você será salvo, mas você pode fazer isso? Se você tropeçar em um só ponto, você é culpado de todos (Tiago 2:10). Daqui decorre que, se em manter a Lei está a sua salvação, o não mantê-la está a sua condenação. Então, se você não conseguir manter a Lei em cada detalhe, você será amaldiçoado (Gal. 3:10). Se você for ao confessionário e confessar seus pecados, mas não conseguir manter toda a Lei você será condenado. É por isso que a justificação se dá somente pela fé na obra redentora de Cristo. Isso explica por que Paulo disse em Romanos 3:28 que somos "justificados pela fé sem as obras da lei", porque ninguém é capaz de manter a lei perfeitamente.

Jesus aplica os próprios padrões das pessoas a si mesmos quando as pessoas  procuram ser justificados diante de Deus pelas suas próprias obras. Se você apoiar a sua justificação somente na obra de Cristo Jesus através da fé, então a sua salvação não está baseada em suas obras, mas na obra de Cristo. Se o seu padrão é a fé e as obras, então você é obrigado a manter a Lei. No entanto, esse padrão não pode salvar ninguém. É por isso que precisamos do evangelho que nos diz que Jesus manteve a Lei perfeitamente em nosso lugar (1 Pe 2:22) e que podemos ser justificados diante de Deus pela fé na obra que Ele realizou na Cruz do Calvário (Romanos 4: 3, 5,5: 1, João 1: 12, 3:16), sem as obras da lei (Romanos 3:28).

 

 

 
 

About The Author

Matt Slick is the President and Founder of the Christian Apologetics and Research Ministry.