A missa e o sacrifício de Cristo

Por Matt Slick- Tradução David Brito

No catolicismo romano a missa é equivalente a Ceia do Senhor, a oferta de comunhão. A palavra missa é derivada do Latim. A missa é uma série de rituais centrados em torno da ceia da comunhão. É também chamado Ceia Eucarística. De acordo com o New São José Catecismo de Baltimore, vol. 2, pergunta 357, "A Missa é o sacrifício da nova lei em que Cristo, através do ministério do sacerdote, se oferece a Deus de modo incruento sob as espécies do pão e do vinho. A missa é o sacrifício de Cristo, oferecido de forma sacramental... a realidade é a mesma, mas as aparências diferentes. "Pergunta 358 diz: "O que é um sacrifício?" A resposta dada é "Um sacrifício é a oferta de uma vítima oferecida a Deus por um padre, e a destruição de que de alguma forma para o conhecimento de que ele é o criador de todas as coisas." A partir do catecismo  de Baltimore, podemos concluir que a missa é a oferta de Cristo por intermédio de um padre.

De acordo com o Catolicismo Romano, Cristo instituiu a missa, quando disse: "Este é o meu corpo" (Mt. 26:26) e "Este é o meu sangue" (Mt. 26:28). Além disso, o catolicismo romano ensina que quando Jesus disse: "Fazei isto em memória de mim", ele deu aos apóstolos e, portanto, seus futuros sacerdotes o poder de transformar pão e o vinho em Corpo e Sangue, (Catecismo de Baltimore, Vol. 2, Q . 354). Portanto, durante a cerimônia da Missa, durante a parte da liturgia conhecida como a consagração. O sacerdote muda o pão e o vinho no corpo e sangue de Cristo (Catecismo da Igreja Católica, 1105).

Ao verificarmos o Catecismo da Igreja Católica (CIC), A Enciclopédia Católica, e O Concílio de Trento, encontramos o a Eucaristia explicada de algumas formas;

 

“O santo sacrifício da Eucaristia" (CIC, 1055) e  “a Eucaristia é também um sacrifício," (CIC, 1365).

"Pois é na liturgia, especialmente no sacrifício divino da Eucaristia, que "a obra da nossa redenção é realizada" (CIC, 1068).

Como representação do sacrifício de Cristo

"A Eucaristia é, portanto, um sacrifício porque representa (torna presente) o sacrifício da cruz," (CIC, 1366).

É um único sacrifício com o sacrifício de Cristo

"O sacrifício de Cristo e o sacrifício da Eucaristia são um único sacrifício," (CIC, 1367).

É o mesmo sacrifício de Cristo

 “E porque neste divino sacrifício que se realiza na missa, este mesmo Cristo, que se ofereceu a si mesmo uma vez de maneira cruenta no altar da cruz, está contido e é imolado de maneira incruenta, este sacrifício é verdadeiramente propiciatório” (CIC, 1367).

É propiciatório (remove a ira de Deus)

"… este sacrifício é verdadeiramente propiciatório," (CIC, 1367).

Para todos os que negam sua natureza propiciatória sejam anátema

"Se alguém disser que o sacrifício da missa só é um sacrifício de louvor e de ação de graças; ou, que é uma simples comemoração do sacrifício consumado na cruz, mas não um sacrifício propiciatório; ou, que beneficia ele só quem recebe; e que não deveria ser oferecido para os vivos e para os mortos para os pecados, dores, satisfações e outras necessidades; seja anátema ". (Trento: No Sacrifício da Missa: Canon 3)

Ele é chamado o sacrifício de Cristo, que é oferecido pelas mãos do sacerdote.

" em união com o sacrifício de Cristo, único mediador, oferecido em nome de toda a Igreja na Eucaristia pelas mãos dos presbíteros, de forma incruenta e sacramenta até que o próprio Senhor venha," (CIC, 1369).

Ele é capaz de fazer a reparação dos pecados

" Enquanto sacrifício, a Eucaristia é também oferecida em reparação dos pecados dos vivos e dos defuntos, e para obter de Deus benefícios espirituais ou temporais" (CIC, 1414).

É para ser considerado o próprio e verdadeiro sacrifício

"A Igreja pretende que a Missa seja considerada como um "próprio e verdadeiro sacrifício" (A Enciclopédia Católica, tópico: "Sacrifício da Missa").

É a missa um re-sacrifício de Cristo?

 

Os católicos romanos são rápidos em dizer que a Eucaristia não é um re-sacrifício de Cristo. Eles querem deixar claro que Cristo foi oferecido uma vez por todas e que a Missa não é uma re-sacrifício, mas uma "reapresentação" do sacrifício. Nós certamente não queremos deturpar a teologia católica romana, mas temos de perguntar como é possível não ser a missa um re-sacrifício de Cristo, quando a missa é chamada de um sacrifício divino (CIC, 1068) que é feito repetidamente. Dizem-nos que "o sacrifício de Cristo e o sacrifício da Eucaristia são um único sacrifício", (CIC, 1367), que é uma oferta incruenta e propiciatória (CIC, 1367), que pode fazer reparação de pecados, (CIC, 1414), A Igreja pretende que a Missa seja considerada como um "próprio e verdadeiro sacrifício" (A Enciclopédia Católica, tópico: "Sacrifício da Missa"). Devemos concluir que é um sacrifício que ocorre repetidamente, e uma vez que é dito ser um verdadeiro e próprio sacrifício que é propiciatório, então, logicamente, ele deve ser um re-sacrifício de Cristo. Se não for, então como pode ser chamado de sacrifício de Cristo? Além disso, como poderia ser propiciatório, se não é um sacrifício de Cristo, pois é a oferta de Cristo na cruz que é a própria propiciação?

  • "Pelo que convinha que em tudo fosse feito semelhante a seus irmãos, para se tornar um sumo sacerdote misericordioso e fiel nas coisas concernentes a Deus, a fim de fazer propiciação pelos pecados do povo" (Hb. 2:17).
  • "E ele é a propiciação pelos nossos pecados, e não somente pelos nossos, mas também pelos de todo o mundo" (1 Jo 2:2).

Resposta Bíblica

Normalmente, a Igreja Católica Romana vai dizer que a Missa não é uma re-sacrifício. Mas é difícil concluir de outra forma quando examinamos o que os documentos católicos romanos oficiais dizem. Portanto, nós supomos que se alguém anda como um pato e grasna como um pato, e se parece com um pato, deve ser um pato. Da mesma forma, se a Missa é dita ser um sacrifício de Cristo e é repetida, então devemos concluir que é um sacrifício contínuo, um re-sacrifício de Cristo já que a Igreja Católica diz que este sacrifício é propiciatório (remove a ira de Deus), e é apenas o sacrifício de Jesus que realmente que pode realizar a propiciação.

A Bíblia tem muito a dizer sobre o sacrifício de Cristo. Por favor, considere os seguintes versos:

Sacrifício oferecido uma única vez

"Certamente estávamos necessitados de um sacerdote como este: santo, inculpável, puro, apartado dos pecadores, exaltado acima dos céus. Diferentemente dos outros sumos sacerdotes, Ele não precisa oferecer sacrifícios dia após dia; que oferecem primeiro por seus próprios pecados e, somente depois, pelos pecados do povo. Porque no momento em que ofereceu a si mesmo, realizou esse sacrifício de uma vez por todas” (Hb. 7:26-27).

" assim também Cristo, oferecendo-se uma só vez para levar os pecados de muitos, aparecerá segunda vez, sem pecado, aos que o esperam para salvação"(Hb. 9:28).

" E por essa determinação, fomos santificados por meio da oferta do corpo de Jesus Cristo, feita de uma vez por todas. Ora, todo sacerdote se apresenta, dia após dia, para exercer seus deveres religiosos, que nunca podem remover os pecados. Jesus, no entanto, havendo oferecido para sempre, um único sacrifício pelos pecados, assentou-se à direita de Deus" (Hb. 10:10-12).

Repetição do sacrifício sem nenhum valor.

"Porque a lei, tendo a sombra dos bens futuros, e não a imagem exata das coisas, não pode nunca, pelos mesmos sacrifícios que continuamente se oferecem de ano em ano, aperfeiçoar os que se chegam a Deus," (Hb. 10:1).

"Ora, todo sacerdote se apresenta dia após dia, ministrando e oferecendo muitas vezes os mesmos sacrifícios, que nunca podem tirar pecados" (Hb. 10:11).

Podemos ver que a Bíblia nos diz  claramente que Cristo ofereceu a si mesmo uma única vez e que não há necessidade de repetição de Seu sacrifício. A Igreja Católica Romana tem distorcido a doutrina bíblica da Ceia do Senhor em um sacrifício constante e repetitivo de Cristo. Deve ser claro para o leitor que a posição católica romana não é somente contra dizente com as escrituras, mas antibíblico.

Nós, do CARM humildemente solicitamos que a Igreja Católica Romana não coloque a sua fé na Missa, mas em vez disso se voltem para o único e verdadeiro sacrifício de Cristo pela fé e que coloquem suas esperanças apenas em Jesus e não em uma instituição humana que oferece um sacrifício repetitivo. Nós fomos justificados pelo sangue de Cristo e não pela oferta de um padre católico romano que altera o pão e o vinho no corpo e sangue literal de Cristo.

  • "Se confessarmos os nossos pecados, Ele é fiel e justo para nos perdoar todos os pecados e nos purificar de qualquer injustiça" (1 Jo 1:9).
  • "Agora, como fomos justificados por seu sangue, muito mais ainda, por intermédio dele, seremos salvos da ira de Deus!" (Rm. 5:9).
  • "Portanto, havendo sido justificados pela fé, temos paz com Deus, por meio do nosso Senhor Jesus Cristo" (Rm. 5:1).
 
 

About The Author

Matt Slick is the President and Founder of the Christian Apologetics and Research Ministry.